segunda-feira, 24 de outubro de 2016

EEB FREI ROGÉRIO RECEBE FAIXA DE HOMENAGEM DA OLIMPÍADA DE LÍNGUA PORTUGUESA

A EEB Frei Rogério registrou na manhã de hoje a chegada da faixa que homenageia o aluno Willian Mauricio Sozo do 3°02 - semifinalista da Olimpíada de Língua PortuguesaEscrevendo o Futuro na categoria Artigo de Opinião. Willian, acompanhado do professor Elizeu Tomasi estará viajando para São Paulo onde participará da semifinal e disputará uma das 38 vagas para da final. Boa Sorte Willian!!!!


PINUS: O PÃO NOSSO DE CADA DIA

O nosso município de Ponte Alta do Norte possui uma íntima relação com a madeira. O seu povoamento, por volta de 1924, se deu em virtude das terras baratas e com abundância de madeira que atraíram o interesse de inúmeros imigrantes. E nos dias atuais, a madeira continua sendo a principal matéria-prima do município, responsável pelo desenvolvimento da cidade. No ano de 2014, de acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), cerca de 46% dos empregos ativos no município eram originados de setores que possuem ligação direta ou indireta com a madeira. Com relação ao nosso Produto Interno Bruto(PIB), a extração de madeira proveniente do plantio de reflorestamento de pinus é uma das atividades que mais gera receitas.

Tais dados demonstram a tamanha importância do setor madeireiro para nossa cidade. Ponte Alta do Norte ocupa, atualmente, o segundo lugar como município com maior área ocupada com o reflorestamento, cerca de 39 mil hectares. O problema é que o pinus é uma espécie exótica e ao ser plantado, ocupa áreas antes ocupadas por espécies nativas provenientes da Mata Atlântica. O consumo excessivo de madeira nas últimas décadas fez com que grandes matas nativas fossem derrubadas para dar espaço aos reflorestamentos de pinus, os quais sustentam a indústria madeireira.

No entanto, nem todas as pessoas reconhecem esta cultura como o carro chefe da economia da cidade. Muito pelo contrário, o mesmo é visto como empecilho para o desenvolvimento do município, principalmente pela grande extensão territorial que ocupam. Agricultores são extremamente contrários a manutenção das florestas plantadas, visto que, as áreas destinadas ao cultivo de feijão, milho soja - por exemplo - apresentam menor proporção e são, geralmente, aquelas que sobram dos reflorestamentos. Além disso, áreas próximas ou herdadas do plantio de pinus acabam ficando degradadas, uma vez que esta cultura absorve os nutrientes do solo, dificultando o plantio de outras culturas.

Mas e se não fosse o pinus? O que seria de nossa cidade? Quantos pais de família trazem o sustento para sua casa trabalhando em serrarias e laminadoras? E se não fossem as laminadoras? E se não fosse as serrarias? O que seria de nós, nortepontealtenses?

Penso, que não podemos ignorar a contribuição do plantio do pinus para o desenvolvimento econômico de Ponte Alta do Norte. Afinal, é desse setor que sai o emprego e a renda de nossa população e consequentemente, o giro do nosso comércio - a mola propulsora do progresso de um município.

Vale destacar ainda, que toda a monocultura causa danos ao solo e ao meio ambiente, não apenas o pinus. A questão aqui, é o planejamento de uma rotatividade de culturas incluindo dessa forma, os agricultores que não veem o reflorestamento de pinus em nossa cidade com bons olhos - e possibilitando, a regeneração do solo entre uma cultura e outra.


Diante de tudo isso, posso afirmar, com convicção, que é necessário buscar novas oportunidades de emprego para os nortepontealtenses, bem como alternativas viáveis à produtividades da lavoura e o equilíbrio ambiental, mas de forma alguma devemos ignorar que as florestas plantadas atualmente no município, embora estáticas, sejam o impulso para o nosso desenvolvimento. Aliando-se a esse potencial uma gestão pública comprometida, pode-se ver uma luz no fim do túnel para um município, que é visto por muitos como sem perspectivas para o futuro. A realidade é uma só: por mais que não se possa "comer madeira", é ela que garante o sustento para grande parte das famílias de Ponte Alta do Norte.

Artigo de Opinião escrito pelo aluno Willian Mauricio Sozo - Semifinalista da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro 2016 - sob a orientação do professor Elizeu Domingos Tomasi.




terça-feira, 31 de março de 2015

REALISMO PORTUGUÊS - Eça de Querós


FILME "O PRIMO BASÍLIO", Baseado no Romance Realista de Eça de Queirós



FILME " CRIME DO PADRE AMARO", Baseado no romance Realista de Eça de Queirós


sábado, 4 de outubro de 2014

FILME A HORA DA ESTRELA

Filme baseado na última obra publicada em vida por Clarice Lispector (1920 - 1977), A Hora da Estrela conta a história de uma nordestina - Macabéa - que vai para o Rio de Janeiro e se torna datilógrafa sem saber datilografar. Na cidade grande, Macabéa começa "namorar" Olímpico, outro nordestino que, diferente de Macabéa, tem desejo de "crescer na vida" tornando-se político. De acordo com uma cartomante, mesmo demitida e abandonada pelo "namorado", a estrela de Macabéa irá brilhar, o que acontece no final quando o alemão Hans entra em seu caminho com sua luxuosa Mercedes-Bens. Chega pois, a Hora da Estrela.


FILME GRANDE SERTÃO (1965)

Filme baseado na obra prima do escritor brasileiro Guimarães Rosa (1908 - 1967), Grande Sertão: Veredas. Neste livro, Riobaldo (ex-jagunço) conta sua história a um interlocutor desconhecido (que nem no final do romance é revelado). Riobaldo fala sobre suas experiências  como jagunço, a traição de Hermógenes e sua amizade/amor com Reinaldo, também chamado de Diadorim, Ao final do romance, Diadorim tendo matado e sido morto em uma luta com Hermógenes, Riobaldo descobre que Diadorim era na verdade uma mulher - a filha do chefe jagunço Joca Ramiro - que se transvestia de homem para vingar a morte do pai.
A narrtiva inova na linguagem e no final da narrativa, que não se encerra com ponto final, mas com o símbolo do infinito.




FILME MORTE E VIDA SEVERINA

Filme baseado na obra prima do escritor brasileiro João Cabral de Melo Neto (1920 - 1999), pertencente a 3° fase do Modernismo Brasileiro. Morte e Vida Severina - Auto de Natal Pernambucano é um poema dramático, inspirado na literatura de cordel, conta a viagem de um Severino Retirante que saiu da caatinga para buscar uma vida melhor em Recife. 
Vale a pena conferir a saga desse retirante que em busca da vida encontrou a morte, mas quando decidiu morrer reencontrou a esperança na vida.


POR QUE NOSSA POLÍTICA É TÃO BURRA?

Na véspera das Eleições 2014, vale refletirmos um pouco sobre o nosso sistema político e o motivo de ser tão ineficiente.


domingo, 28 de setembro de 2014

E AÍ! SERÁ QUE NEVA OU FAZ SOL TERRA DA MADEIRA?

         
Gariando - Santa Cecília/SC

Por Rafael Smekatz Simão

(Texto vencedor da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro 2014 - Etapa Municipal)


Era uma manhã agradável de outono... Segundo um típico costume de todo o bom serrano, assim que acordei, liguei o rádio. “Entre vaneiras, chamamés, xotes e milongas... O rádio é indispensável, pois sempre nos dá a previsão do tempo. E em uma cidade pequena como Santa Cecília, onde quase tudo se faz a pé, saber se vai chover ou não é fundamental”.

De repente, a programação campeira da manhã é interrompida pela vinheta: “Como vai o tempo? E a temperatura”? Em qualquer outra emissora de rádio da região, entraria neste momento o Ronaldo Coutinho – meteorologista da EPAGRI – que faria a, já clássica, previsão:

- E o tempo apresenta-se bom, com aberturas de sol e possibilidade de pancadas de chuvas.

Acontece que a partir daquela manhã, a previsão do tempo na terra da madeira jamais seria a mesma! Nos microfones da rádio uma figura divertidíssima das ruas de Santa Cecília: o Gariando. Um jovem especial que anda pelas ruas e praças da cidade arrancando risos das pessoas com suas fantasias sempre temáticas e sua gaita sempre animada pulando, dançando e cantando a todo pulmão:

- “Tá gariando lá fora! Tá gariando lá fora...”

O Gariando, naquela manhã de abril, assumia o lugar de meteorologista. Era o garoto do tempo numa das emissoras de rádio mais ouvidas da cidade:

- Pois é pessoal! Podem ir tirando os pelegos do armário que a neve já “” chegando... E enquanto ela não chega, “vamo que vamo que tá gariando lá fora”!

 O difícil é acreditar na previsão de neve para um dia com uma ensolarada manhã de outono, céu limpo e o vento soprando suave... O engraçado era as pessoas, ao longo do dia, comentar a previsão do Gariando.  Algumas levando na brincadeira, enquanto outras até encontravam certo fundamento na previsão, um tanto particular, dessa singular figura de Santa Cecília.

“E ai! Será que neva ou faz sol na terra da madeira?”

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

O AMOR - Intertextualidade

Galera, conforme combinamos, segue um exemplo clássico do que é INTERTEXTUALIDADE. No exemplo, vemos o tema AMOR sendo tratado em uma carta, em um soneto e em uma música. Vejam que podemos reconhecer um texto dentro do outro - eis uma intertextualidade.

CARTA DE PAULO AOS CORÍNTIOS (Bíblia)




O AMOR É FOGO QUE ARDE SEM SE VER... (Luiz de Camões)

Amor é fogo que arde sem se ver,
é ferida que dói, e não se sente;
é um contentamento descontente,
é dor que desatina sem doer.

É um não querer mais que bem querer;
é um andar solitário entre a gente;
é nunca contentar-se de contente;
é um cuidar que ganha em se perder.

É querer estar preso por vontade;
é servir a quem vence, o vencedor;
é ter com quem nos mata, lealdade.

Mas como causar pode seu favor
nos corações humanos amizade,
se tão contrário a si é o mesmo Amor? 

MONTE CASTELO (Legião Urbana)